Proteja seu patrimônio

Defenda seus direitos

04/10/2020

O Ambiente de Trabalho na Era Digital

A inserção das novas tecnologias no ambiente de trabalho gerou uma série de efeitos sociais que afetaram os trabalhadores. Esses efeitos repercutiram nos processos de trabalho, na qualificação da força de trabalho, nas próprias condições de trabalho, na saúde do trabalhador e consequentemente nas políticas de ocupação, afetando diretamente a questão do emprego.

Nesse aspecto, como aliada na resolução do problema da produtividade, temos a tecnologia, aumentando a produção em massa de novos produtos e alavancando ainda mais a economia nacional, bem como, flexibilizando e modernizando o mercado de trabalho, inclusive, com a implementação do trabalho remoto, o qual nesse momento foi elevado a um patamar de maior relevância, em função da Pandemia da Covid-19.

A evolução tecnológica tem seu aspecto positivo, na medida que com a expansão da capacidade de informação, gera maior conhecimento, possibilitando as pessoas um maior conhecimento, lazer e pesquisa.

O progresso da humanidade se reflete, também, na capacidade de transmitir informações e as questões de “tempo e distância” no campo da informação tem sua dimensão reduzida. Com isso, o direito à informação expandiu-se, facilitando o acesso ao conhecimento, nos mais diversos pontos do planeta.

Porém, de outra banda temos a precarização das relações de trabalho e o desemprego, trazidos pelas novas tecnologias, onde nem sempre os trabalhadores serão mão de obra necessária, podendo serem tranquilamente substituídos por máquinas e dispensados de seus empregos sem a possibilidade de qualquer estabilidade.

 Importante ressaltar, o lado negativo da tecnologia como fonte geradora de desemprego e precarização no ambiente de trabalho. O uso imoderado da tecnologia não fomenta nenhuma forma de desenvolvimento humano no trabalho, mas sim ameaça a criação de novos postos de trabalho.

 Nesse viés, temos inclusive a questão do teletrabalho, onde o empregado não terá um controle de jornada e consequente pagamento de horas extras, podendo ser obrigado a trabalhar no período noturno ou feriados e finais de semana para cumprir suas metas, e assim, deixando de lado sua saúde, descanso e contato com familiares, enfim, perdendo seu direito constitucional ao lazer e a uma vida digna.

Por fim, constata-se que para que haja um saudável desenvolvimento econômico e social, o ambiente de trabalho e os meios tecnológicos, precisam caminhar, lado a lado, para assegurar uma melhor otimização do trabalho e maior eficiência sem esquecer do bem-estar social e das garantias dos direitos dos trabalhadores.